Página inicial
Quem somos
Quem é nossa cobertura
Galeria de fotos
Galeria de vídeos (novo)
Sites que indicamos
Downloads
Livro de visitas
Fale conosco
Dicionário Bíblico
Artigos/ Estudos
A Rota do Sucesso
Agenda
Aliança e Cobertura Esp.
Colaboração/Propósito
Coluna dos adoradores
Como adquirir o CD
Comunidades no Orkut
Contatos e Convites
Dinâmica / Quebra Gelo
Discografia/Composição
Espaço Mulher
Estudos do Ap.Osmarino
Família/Casal/Jovens
Festas Bíblicas
Homens de Verdade
Igrejas Sob cobertura
Liderança
Missões
Músicas Cifradas
Notícias
Peças Teatral
Reflexões/ Meditações
Release / Ap. Osmarino
Seitas e Heresias
Seminários/Ap.Osmarino
Símbolos Judaicos
Teologia/Hist. Igreja
Visão Celular/Estudos
Bíblia Online
Escolha o Livro
Capítulo Versículo
Palavra(s):
Estatísticas
1822 estudos publicados
2 abençoado(s) conectados
13 colunistas - 229 fotos
109383 acessos


Aliança de MIlagres - 9ª Ministração

Tipo: Artigos/ Estudos / Autor: Pr. David França

ALIANÇA DE MILAGRES – 9ª SEMANA
TEMA: OS CINCO PÃES E OS DOIS PEIXES – REFERÊNCIA: Marcos 6:41

“Tomando os cinco pães e os dois peixes e, olhando para o céu, deu graças e partiu os pães. Em seguida, entregou-os aos seus discípulos para que os servissem ao povo. E também dividiu os dois peixes entre todos eles”.

INTRODUÇÃO:
Nesta 9ª semana da campanha de Aliança de Milagres estaremos apresentando a aliança que Deus tem conosco como Provedor das nossas necessidades. O Senhor sabe do que realmente precisamos e, na hora exata, Ele irá prover de alguma forma. A verdadeira provisão nem sempre vem nos suprir daquilo que achamos ser necessário para nós e sim daquilo que Deus diz que é necessário.
O dicionário define como PROVISÃO: ato de prover; fornecimento; abundância de coisas necessárias ou proveitosas. Define também a palavra PROVEDOR, como: aquele que toma para si a obrigação de prover do necessário a uma instituição pia (piedosa, devota, seguidora de uma doutrina religiosa); esta definição fala da atitude de alguém que pratica caridade com fins religiosos, não ímpio. Mas o nosso Deus se agrada de prover as necessidades de seus filhos com abundância.

I – A PROVISÃO DE DEUS É GERADA PELA NOSSA NECESSIDADE
A primeira multiplicação dos pães, assim como a segunda ocorreu pela falta do suprimento de uma necessidade fundamental para o ser humano: o alimento para o seu corpo físico. Deus não apenas deseja nos suprir de dons e valores espirituais, mas também da provisão para o nosso corpo, e foi exatamente isso que Jesus fez no momento de necessidade do povo que o seguia.
“Já era tarde e, por isso, os seus discípulos aproximaram-se dele e disseram: ‘Este é um lugar deserto, e já é tarde. Manda embora o povo para que possa ir aos campos e povoados vizinhos comprar algo para comer’” (Marcos 6:35, 36). Antes de multiplicar os pães e peixes, Jesus observou na vida daqueles que o seguiam alguns aspectos fundamentais para que o milagre fosse operado:
1. O fim da provisão diária: aquelas pessoas já estavam seguindo Jesus há muito tempo e consumiram suas provisões fazendo algo que era importante para Deus: ouvir a Sua voz, por meio de Seu Filho;
2. A impossibilidade de alcançar a provisão naquele ambiente: os seguidores estavam em um lugar distante de onde poderiam conseguir a provisão comprando no comércio. Não adiantava ter dinheiro sem um lugar aonde comprar. Nem sempre o dinheiro é suficiente.
3. A falta de provisão pode causar fraqueza e desânimo: mesmo sendo pessoas espirituais e gostarmos de estar na presença de Deus, temos também um corpo físico que precisa de alimento.
4. O desejo de se conseguir a provisão sem se afastar da presença de Deus: sair da presença de Deus para conseguir a provisão pelo nosso próprio esforço causa certos riscos. Podemos nos afastar demasiadamente Dele, tendo até um bom argumento para fazermos isso, e acabamos ficando fracos não somente no corpo, mas também na fé.

Devemos, portanto, buscar um equilíbrio em nossa vida espiritual e secular. A nossa dependência do alimento para o corpo e a provisão das nossas necessidades básicas não devem ser motivo suficiente para que deixemos passar as oportunidades para estarmos na presença de Deus. E muitos são estes argumentos na vida de pessoas cristãs: o trabalho, o cansaço, a escola, os estudos, o tempo disponível, compromissos adiáveis, a família, a distância da igreja ou da célula da residência, etc. Não que estas coisas não sejam importantes, mas devemos aprender a administra-las, em relação às prioridades e compromissos com Deus

II - O NOSSO MILAGRE DEPENDE DO QUE DISPOMOS PARA DEUS.
Como vimos no capítulo anterior, Jesus analisou a atitude daquelas pessoas que decidiram segui-lo, sem se importarem com as condições desfavoráveis que adviriam dessa decisão: foram para um lugar distante e deserto; passar m um dia inteiro com Ele; ficaram sem provisões; começaram a sentir fome; não desistiram de permanecer com Jesus, mesmo com todas essas dificuldades. Outro ensinamento que devemos aprender é que as pessoas que andam com Jesus sempre devem estar prontas para servir. Umas têm certa porção da provisão mais abundante que a maioria das pessoas que estão ao seu redor, outras, porém, fazem o sacrifício de se privar de necessidades básicas para poder socorrer seu semelhante nas emergências. Umas têm pão, outras têm peixe.
Entre nós, algumas pessoas possuem roupas, outras sapatos; uns possuem carro, outros vale transporte; alguns possuem feijão, outros arroz; umas podem dar cinco quilos, outras uma dúzia; uns podem dispor o dinheiro, outros o tempo, a força e o trabalho. Jesus teve que se valer da ajuda de algumas destas pessoas destemidas e determinadas para poder multiplicar os poucos pães e peixes que elas possuíam. Diante da situação de fome geral, elas poderiam simplesmente ter guardado para si estes alimentos. Perguntou ele: “Quantos pães vocês têm? Verifiquem”. Quando ficaram sabendo, disseram: “Cinco pães e dois peixes” (Marcos 6:38).
Todo milagre necessita de uma semente de fé e da atitude de alguém para que possa ser operado. As pessoas que apresentaram aqueles cinco pães para Jesus aprenderam, durante os momentos de ensinos que tiveram naquele dia, sobre a necessidade de apresentarem para Deus aquilo que possuem de melhor de acordo com o que a situação exige, mesmo nos momentos de crise.

III – O MILAGRE OCORRE QUANDO LOUVAMOS A DEUS NAS DIFICULDADES TAMBÉM
“Tomando os cinco pães e os dois peixes e, olhando para o céu, deu graças e partiu os pães. Em seguida, entregou-os aos seus discípulos para que os servissem ao povo. E também dividiu os dois peixes entre todos eles”. (Marcos 6:41)
Jesus não olhou para a multidão que o rodeava nem para a quantidade de pães e peixes que tinha nas mãos, e sim para o céu. O céu é o trono de Deus, o nosso Provedor. Quantas vezes temos necessidades e a primeira coisa que fazemos é olhar para baixo, acabrunhados, envergonhados e com um sentimento de incredulidade tal que afasta qualquer possibilidade da operação do milagre de Deus. A Palavra de Deus diz, em I Tessalonicenses 5:16-19: “Alegrem-se sempre. Orem continuamente. Dêem graças em todas as circunstâncias, pois esta é a vontade de Deus para vocês em Cristo Jesus. Não apaguem o Espírito”. A nossa postura, como adoradores, servos, filhos e pessoas dependentes da graça e da misericórdia de Deus em todo tempo, fará com que geremos o ambiente favorável ao milagre em nossas vidas.

IV – A PROVISÃO DE DEUS É SEMPRE ABUNDANTE E NÃO DEVE SER DESPERDIÇADA
“Todos comeram e ficaram satisfeitos, e os discípulos recolheram doze cestos cheios de pedaços de pão e de peixe”. (Marcos 6:42 e 43)
A bênção de Deus não é pela metade! O texto diz que todos ficaram satisfeitos. O nível de satisfação de cada pessoa é diferente, principalmente em se tratando de comida. Portanto, dá para se imaginar que algumas pessoas comeram em maior quantidade e outras se deram satisfeitas comendo menos. O Senhor não nos dá ração controlada como se fôssemos animais que cria, pois sabe que cada um possui necessidades diferentes e procura supri-las completa e suficientemente.
Devemos também aprender que não devemos desperdiçar a provisão de Deus, pois certamente não sabemos quando será o próximo dia de escassez. Os discípulos de Jesus recolheram doze cestos de pães, não deixando espalhadas pela relva as sobras. Eles bem poderiam ter pensado: “Ah! Não precisamos recolher nada não, pois, de outra vez que estivermos precisando, Jesus vem e faz o milagre novamente”. Este versículo nos lembra que, mesmo sendo abundantes em Deus, não devemos ser desperdiçadores, esbanjadores e irresponsáveis com aquilo que Jesus fez por nós.

CONCLUSÃO:
Não podemos nos desesperar nos momentos de crises ou dificuldades. Como filhos de Deus, devemos, sim, apresentar sempre a Ele o melhor de nós, para vivermos uma vida de milagres e abundância; ser cuidadosos com o nosso corpo, com a saúde, com nossa família, com o nosso casamento, com os nossos filhos, com o nosso trabalho, com a nossa Igreja, com os nossos pastores, com os nossos irmãos, com os nossos relacionamentos e com tudo aquilo que faz parte do milagre de Deus em nós.


..Quem escreveu o artigo acima?
Clique para ler este artigo
Pr. David França
O pr. David França é pastor na Comunidade Apostólica Atos II na Taquara - RJ. É casado com a pastora Solange França. É o líder da Rede Homens "Homens de Verdade" e tem o ministério de mestre.

Contatos e convites:

Telefone: 21) 2446-2296
E-mail: pr.davidfranca@hotmail.com
   

Outros artigos do autor:

A importância do ensino
Aliança de Milagres - 12ª Ministração - O sal que purifica as águas
Aliança de Milagres - 11ª Ministração - Pedro e a visão do Grande lençol - Atos 10:9-16
Aliança de Milagres - 10ª Ministração
Aliança de MIlagres - 9ª Ministração